11.1.09

SAGRADA CAMINHADA

Manhã de verão... Brisa quente no ar...
Abro meus braços para a carícia do vento e respiro o prana que traz cheiro de mato...
Inundo-me do azul desse imenso céu !
Faço a trilha das árvores floridas. São muitas espalhadas por toda a cidade e eu conheço as árvores e os vários caminhos. Gosto de descobrir os detalhes dos jardins das casas, os cachorrinhos esquisitos que latem com a minha presença, os velhinhos se banhando de sol nas calçadas, o barulho da vassoura caipira varrendo as folhas das ruas.

Adoro acordar com a cidade e dizer BOM DIA a todas as criaturas que encontro em meu caminho.
Sinto a emoção de estar viva e presente !

Consciente da beleza que existe em cada momento, em cada detalhe ...
No campo que encontro no fim do asfalto, moldura de natureza generosa acolhendo a tela urbana... Meus pés na terra fofa do caminho, o orvalho que brilha nas folhas com raios de sol, as flores multicoloridas que nascem sozinhas nas cercas e pastos...
Meu coração se deleita com a sensação de plenitude e paz...

Silencio...
Agradeço por ter olhos de ver... Por poder sentir... Ser capaz de amar cada momento único dessa união com o Todo ... E entregar-me nas ondas desse mar de amor... Onde jamais estaremos sós...
Sagrada caminhada de todas as manhãs !


6 comentários:

Anônimo disse...

Belo texto, belas palavras,Joana. Nele dá pra sentir a leveza da vida, o prazer de estar nesse mundo, a harmonia com o universo e o amor pelo natural,pela natureza. Não a conheço pessoalmente, mas sinto que você deve ser assim: pura como seu texto. Parabéns.
Um beijo no seu coração!
Sua nova amiga, Mariluci

Anônimo disse...

Belíssimo o que falas da mais simples e prazerosa atividade humana, o caminhar sentindo a vida, vivendo, olhando as coisas com o coração, bravo!

cass disse...

Joana, a cidade que mora em você estimula os sentidos. Através de suas palavras sinto o gosto e cheiro do mato; a pele absorve a alta temperatura e recebe as carícias desse vento; uma melodia poética troca as cordas do violino por palhas de vassoura caipira e o campo óptico alcança a "moldura de natureza generosa acolhendo a tela urbana..." (e que esta frase também seja emoldurada).
Sua sencibilidade é indescritível.

Cecilia Egreja disse...

Lindo, como tudo que encontro por aqui! Beijos

teblasi disse...

Passei por aqui, adorei tudo que li, mas em especial Sagrada Caminhada. Sabe Joana há pessoas que olham mas não conseguem ver a beleza das pequenas coisas. Simpesmente passam por elas...
Somente quem abre o coração pode sentir o "momento único dessa união com o Todo".
É um prazer poder ler textos tão bem escritos. Parabéns!!!

A´ Ana :b disse...

Joana, que textos tão maravilhosos.
Nota-se que sente tudo aquilo que escvreve e consegue transmiti-las muitissimo bem.
Parabêns pelos seus textos !